¡Nos mudamos!
Visitenos en nuestra nueva dirección web
www.fenixnews.com

O dia do Maçom – uma estatística





Caríssimos Irmãos

Neste 20 de Agosto, quando comemoramos no Brasil o dia do Maçom (mesmo com o equívoco que a data representa) seria mesmo um dia a ser comemorado? Que importância para a sociedade profana, especialmente a brasileira, a Maçonaria hoje em dia representa? Não estaríamos vivendo numa suave indolência, um dolce far niente, na pior interpretação da expressão, vivendo dentro da ilusão de que representamos algo de importante na constituição de nosso meio?

Podemos, para iniciar um estudo mais aprofundado posterior, analisar alguns dados estatísticos proporcionais e absolutos referentes à Maçonaria mundial reconhecida, da qual fazemos parte.

Hoje há 190 Obediências regulares espalhadas pelo mundo que fazem parte do grupo denominado "reconhecido", grupo este encabeçado pela Grande Loja Unida da Inglaterra e do qual o Grande Oriente do Brasil e as Grandes Lojas dos Estados de São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro fazem parte. As demais Grandes Lojas Estaduais brasileiras não possuem o amplo reconhecimento mundial, muito menos os Grandes Orientes Independentes.

Deste modo, podemos analisar os seguintes dados:

Das 190 Obediências regulares espalhadas pelo mundo, 172 delas possuem publicamente divulgados os números que as compõem com relação ao número de Lojas e de Obreiros. Essas 172 são as principais em números de obreiros e lojas; as 18 restantes são Obediências de pouca representatividade localizadas principalmente no continente africano e as recém fundadas Obediências do Leste Europeu que a partir da queda dos governos socialistas estão tentando se reorganizar naqueles países.

A Obediência com o maior número de Lojas e Obreiros é a Grande Loja Unida da Inglaterra (237.923 Obreiros e 7.945 Lojas, com uma média de 30 Obreiros por Loja); seguid a pela Grande Loja da Pensilvânia (EUA) (114.447 Obreiros e 432 Lojas, com média de 265 Obreiros por Loja); Grande Loja de Ohio (EUA) (106.870 Obreiros, 512 Lojas, média de 209 Obreiros por Loja); Grande Loja do Texas (EUA) (92.420 Obreiros, 873 Lojas, média de 106 Obreiros por Loja) e em 5ª posição, o Grande Oriente do Brasil (71.577 Obreiros, 2.605 Lojas e média de 27 Obreiros por Loja).

As três últimas da relação são a Grande Loja da Eslováquia (60 Obreiros, 3 Lojas, média de 20 Obreiros por Loja); a Grande Loja da Ucrânia (57 Obreiros, 3 Lojas, média 19 Obreiros por Loja) e a Grande Loja do Congo (55 Obreiros, 3 Lojas, média 18 Obreiros por Loja).

Essa é uma análise realizada sobre os números absolutos encontrados, uma simples listagem de quantos somos, e que produzem na verdade uma falsa ideia de que somos grandes pela quantidade de pessoas que se encontram em nossas Colunas. Mas há outra forma de se analisar esses dados que é o de se verificar a % de Maçons que há em cada país ou região em função do número de habitantes que neles existem. Será que a estatística se repetiria?

A Obediência com o maior representatividade frente à população de sua região ou país é a Grande Loja do Maine (EUA) (19.968 Obreiros e 185 Lojas, com uma média de 108 Obreiros por Loja), pois ela representa aproxi madamente 1,503% da população daquele estado norte-americano; seguida pela Grande Loja da Virginia Ocidental (EUA) (22.078 Obreiros e 139 Lojas, com média de 159 Obreiros por Loja), representando 1,187% da população do estado; e pela Grande Loja de Vermont (EUA) (6.685 Obreiros, 88 Lojas, média de 76 Obreiros por Loja) e 1,075% da população. As Obediências menos representativas são a Grande Loja da Rússia (418 Obreiros e 22 Lojas, com média de 19 Obreiros por Loja), representando 0,0003% da população do país; a Grande Loja do Reino do Marrocos (80 Obreiros e 5 Lojas, com média de 16 Obreiros por Loja), representando 0,0002% da população do país; e a Grande Loja da Ucrânia (57 Obreiros e 3 Lojas, com média de 19 Obreiros por Loja), representando 0,0001% da população do país.

As primeiras cinco Obediências do critério anterior ocupam as seguintes posições: a Grande Loja Unida da Inglaterra ocupa a 40ª posição, representando 0,44% da população do país; a Grande Loja da Pensilvânia (EUA) ocupa a 7ª posição, representando 0,921% da população do estado; Grande Loja de Ohio (EUA) ocupa a 6ª posição, representando 0,932% da população do estado; Grande Loja do Texas (EUA) ocupa a 46ª posição, representando 0,368% da população do estado; e o Grande Oriente do Brasil ocupa a 109ª posição, representando 0,038% da população do país.

Em números relativos as quatro Grandes Lojas Estaduais Brasileiras reconhecidas ocupariam uma posição de maior relevância em suas regiões que o GOB na totalidade do país: a Grande Loja do Espírito Santo na 70ª posição, representando 0,195% da população do estado; a Grande Loja do Mato Grosso do Sul na 83ª posição, representando 0,097% da população do estado; a Grande Loja de São Paulo na 97ª posição, representando 0,051% da população do estado; e a Grande Loja do Rio de Janeiro na 100ª posição, representando 0,046% da população do estado.

Se analisarmos o número de maçons por país e sua porcentagem com relação à população, encontramos os seguintes números:

O país com maior número relativo de maçons é a Islândia com 0,845% da população do país sendo maçons regulares, com 3.409 maçons dentro de uma população de 403.367 habitantes; seguida pela Irlanda com 0,665% da população do país sendo maçons regulares, com 41.239 maçons dentro de uma população de 6.197.100 habitantes; pela Escócia com 0,632% da população do país sendo maçons regulares, com 32.984 maçons dentro de uma população de 5.222.100 habitantes.

Os Estados Unidos da América é o país com o maior número de maçons regulares, com 0,478% da população do país sendo maçons regulares, com 1.476.341 maçons dentro de uma população de 308.745.538 habitantes, organizados nas diversas Obediências em cada um dos estados daquele país.

Os 10 primeiros países em números de maçons em função de sua população coincidentemente são os países que apresentam excelentes posições no índice de IDH (índice de desenvolvimento humano) adotado pelas Nações Unidas, ou seja:

Nº OBREIROS
Nº LOJAS
OBEDIÊNCIAS RECONHECIDAS
PAÍS
MÉDIAOBREIROSPORLOJA
% SOBRE POPULAÇÃO DO PAÍS
3.409
18
Grande Loja Nacional da Islândia
Islândia
189
403.367
0,845%
41.239
1.117
Grande Loja da Irlanda
Irlanda
37
6.197.100
0,665%
32.984
1.064
Grande Loja da Escócia
Escócia
31
5.222.100
0,632%
200
9
Grande Loja Nacional Regular do Principado de Mônaco
Mônaco
22
35.986
0,556%
1.476.341
12.953
Grandes Lojas Norte-Americanas
EUA
114
308.745.538
0,478%
237.923
7.945
Grande Loja Unida da Inglaterra
Inglaterra
30
54.016.290
0,440%
143.137
1.792
Grandes Lojas das Províncias do Canadá
Canadá
80
34.552.000
0,414%
18.900
63
Grande Loja da Noruega
Noruega
300
4.979.900
0,380%
9.051
266
Grande Loja da Nova Zelândia
Nova Zelândia
34
4.393.500
0,206%
8.034
103
Grande Loja da Dinamarca
Dinamarca
78
5.564.219
0,144%

Fica então a questão: o grau de desenvolvimento desses países, nos campos educacional, cultural, econômico, político e social, refle teria também a participação da Maçonaria na organização da sociedade profana? Ou estes números seriam apenas uma coincidência estatística? O Brasil e os países com baixo desenvolvimento educacional, cultural, econômico, político e social são os que estão na outra ponta desta relação. Também seria apenas uma coincidência?

É algo que precisamos analisar com grande reflexão e clareza para definirmos o grau de atuação de nossa Instituição dentro de um plano maior pelo bem de nossas nações.
Fraternalmente
Fabio Cyrino, M.I., 33º
REAA Harmonia e Concórdia 3522 - GOB/ GOSP
***********************************
Resta esclarecer que as informações acima são fornecidas por um Irmão  pertencente aos quadros de Maçons do Grande Oriente do Brasil que por sua ótica e pelo que lhe foi ensinado, considera  a GLUI uma potência regular e reconhecida pelo universo maçônico do qual ele faz parte, não do nosso.

Por nossa vez, entendemos que a Potência Regular, Reconhecida, Legítima, é o Grande Oriente da França (1728), fundada 85 anos antes da Grande Loja Unida da Inglaterra (1813) e que,  por questões puramente maçônicas de ética e comportamento, não arroga para si a maternidade da maçonaria moderna, deixando para a Grande Loja Unida da Inglaterra esta ostentação.

O Grande Oriente da França hoje mantém relações com mais de 900 Potencias e Obediências maçônicas em todo mundo, número este muito além do que nos foi apresentado nas estatísticas acima com relação a Grande Loja Unida da Inglaterra (190). O Universo Maçônico e as relações com Potências Maçônicas do Grande Oriente da França, é no mínimo quatro vezes maior.

Portanto é prudente que se faça uma comparação, e que estejamos todos cientes desta informação,  propositalmente impedida de chegar até nós por não ser conveniente que os Maçons brasileiros saibam, submetendo-os a um mundinho maçônico irrisório  ao passo que, os maçons que se relacionam com o Grande Oriente da França, têm à sua frente de portas abertas um número grandioso de lojas, maçons e potencias em todo e qualquer lugar do mundo, esperando-os e prontos para  receberem a todos como irmãos que são.

No desejo de se fazer entender que alguns são reconhecidos pela grande loja unida da Inglaterra e outros não, acabam por deixar até os próprios irmãos aos quais se relacionam tais quais os dos Grandes Orientes Independentes e das Grandes Lojas brasileiras numa situação de desconforto, expondo-os a uma tal “irregularidade e não reconhecimento”,que de fato pouco interessa conforme reproduzimos parte do texto abaixo:
grupo denominado "reconhecido", grupo este encabeçado pela Grande Loja Unida da Inglaterra e do qual o Grande Oriente do Brasil e as Grandes Lojas dos Estados de São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro fazem parte. As demais Grandes Lojas Estaduais brasileiras não possuem o amplo reconhecimento mundial, muito menos os Grandes Orientes Independentes.

         Atitudes quais estas deveriam ser banidas do vocabulário do maçom brasileiro, visto que, usam de palavras e insinuações que ofendem, denigrem, tentam humilhar seus próprios irmãos e maçons do mesmo solo pátrio, seus irmãos maçons brasileiros. 

Tem-se a necessidade de bajular A Grande Loja Unida da Inglaterra, e a necessidade de pisar nos maçons brasileiros, ao passo que os de fora, os ingleses, pouco ou quase nada se importam conosco.

Quando essas atitudes ridículas forem banidas de nosso meio, poderemos reverter esse quadro comparativo vergonhoso, e então olhar para todo o Universo Maçônico e dizer: “No Brasil está a Maior População Maçônica do Mundo.”

Daí então sairemos do ostracismo o qual se preocupa com toda razão o irmão Fábio Cirino, autor das estatísticas aqui mencionadas, e seremos importantes na vida e nos acontecimentos da sociedade brasileira, sairemos da ilusão de estar se fazendo alguma coisa, deixaremos de viver das lembranças e saudades dos feitos do passado para  novamente protagonizar os destinos da vida de nosso povo e o futuro de nossa Pátria.

Mas para isso teremos que valorizar o que é nosso a exemplo da maçonaria americana, e não o que não nos pertence, a Maçonaria Colonizadora Inglesa. 

Weber Varrasquim
Agosto de 2011

COMICs